Connect with us

Entrevista

Seleção USP de Rugby rumo a Namíbia

Após a vitória conquistada no JUBs de Rugby Feminino, a Seleção USP conta um pouco sobre como foi o campeonato e como estão os preparativos para o mundial na Namíbia.

O JUBs de Rugby 7, da CBDU, ocorreu no feriado de Páscoa pelos campos do CEPEUSP. Reuniu, de acordo com a organização, 180 atletas, que representaram 11 equipes, de seis estados – São Paulo, Goiás, Distrito Federal, Ceará, Pará e Tocantins –, nos naipes masculino e feminino.

No caso do Rugby Feminino, a Seleção USP se sagrou campeã e garantiu uma vaga para o mundial universitário, que ocorre na Namíbia de 12 a 14 de julho.

Conversamos com as atletas Júlia Ricci e Marina “Noia” Vasconcelos, ambas integrantes da Seleção, para saber mais como foi o JUBs de Rugby.

Novata equipe da USP garante ouro no JUBs. Foto: Acervo CBDU

Nova equipe, título expressivo

Revista BEAT: Quando e como foi formada a Seleção USP de Rugby? Trata-se de um time novo? De quem veio a iniciativa?

A Seleção USP aconteceu pela primeira vez em 2013, por iniciativa do Rugby USP – até então era uma equipe universitário e atualmente se trata de um clube. O grupo, na época, chamou meninas de outras atléticas que já participavam de times da modalidade para compor o elenco e participar do Super Sevens. A mesma equipe organizou uma seleção para outros torneios.

Em 2016, porém, quando muitas atléticas da USP já contavam com time de Rugby Feminino, a Turola e a Bia resolveram fazer acontecer o sonho de ter uma Seleção vinculada à LAAUSP, assim como as demais modalidades consolidadas no esporte universitário já tinham. Mas, apenas em 2018, conseguimos ter treinos cheios e selecionar de fato as doze atletas que jogaram o JUBs.

RB: Como foi feita a convocação? Quem participa atualmente (quantas atletas, quem são os treinadores, quem sustenta)? Onde e quando são os treinos?

Os treinos eram sempre cheios. Como os treinos começaram um mês antes do torneio, entretanto, nem todas as atletas estavam presentes em todos os treinos. Ainda assim, contamos em média com 15 a 20 meninas.

Participaram dos treinos atletas da FFLCH, Farma, POLI, Pedago, ECA, EEFE, IO, FAU e Med. Quem treina na Seleção desde sua fundação são Beatrice Parra (que também é técnica da Farma) e Rafaela Turola (treinadora da FFLCH).

Atletas da Seleção USP comemoram try. Foto: Acervo CBDU

RB: Como foi o campeonato JUBs para vocês, quantos times adversários havia? É a primeira vez que a Seleção USP garante um título desse tamanho?

É o primeiro título da Seleção USP desde que ela se formou. Infelizmente, dado o alto valor da inscrição, poucas equipes se inscreveram. Foram apenas três: LAAUSP, UnB e UFPA.

Jogamos contra os dois times na sexta e no sábado. No primeiro dia, os placares foram mais apertados, 15 USP x UFPA 10 e 10 USP x 10 UnB. Por saldo de tries (pontos) estávamos atrás da UnB ainda. Porém, no segundo dia do campeonato, encaixamos melhor nosso jogo e tivemos bons placares. 42 USP x 0 UFPA e 21 USP x 5 UnB.

RB: Quer contar alguma história/lance marcante do JUBs?

No primeiro dia, nosso jogo contra a UFPA estava empatado. Era nosso primeiro jogo do campeonato. Faltavam dois minutos para acabar e fizemos uma substituição. A Larissa da Pedago entrou e fez o try, sem dar tempo da UFPA reagir. O mais legal é que esse lance saiu de uma jogada que treinamos pela primeira vez um dia antes do campeonato. Acabamos com a vitória.

Como a UnB ganhou contra a UFPA e nós empatados com a UnB, esse try foi essencial. Com ele, garantimos o empate com a UnB na classificação geral, de modo que nenhum dos times chegou com alguma vantagem para o segundo dia.

Além disso, no mesmo sábado, nos reunimos depois do campeonato para comer, então tivemos esse momento de descontração que sempre nos une mais. Chegamos no segundo dia ainda mais animadas e unidas. Nesse encontro, uma das nossas jogadoras, a Marina, falou: “gente, vamos combinar de ganhar?”. Evidentemente, todo mundo disse que sim. Deu que a gente ganhou mesmo! Combinado é combinado, né?

RB: E sobre o mundial na Namíbia? Quando será? Vocês garantiram a vaga, há um apoio da CBDU para a viagem?

Os jogos do mundial acontecem entre 12 e 14 de julho. Estamos muito empolgadas! Infelizmente, a CBDU não vai arcar com nenhum dos custos do torneio e da viagem. Nós iremos começar a arrecadação em breve, planejamos lançar uma vaquinha online nos próximos dias.

Foto de capa: Acervo CBDU

Rugby na universidade

Rugby no JUCA: terceiro dia de suor e paixão
De uma jogada irregular no Football surge o Rugby

More in Entrevista