como prevenir lesões na corrida

Correndo e saltando contra as lesões

por • 1 de agosto de 2017 • Basquetebol, Colunas, Futebol de campo, Futsal, Handebol, Individuais, Rugby, Treinamento, Uncategorized, VôleiComentários (0)164

Como prevenir lesões na corrida e no salto, tão recorrentes em atletas, principalmente amadores. Muitas vezes, as dores são provocadas graças a um padrão errado de movimento e isso pode ser facilmente corrigido.

Por Maria Cecília da Silva Martins

A mecânica do movimento é a grande responsável pela sobrecarga gerada sobre o corpo. Se pudermos manter um bom alinhamento articular, as cargas incidirão sobre as estruturas do corpo de maneira centralizada e uniforme, sem causar excesso de compressão ou tensão em nenhum ponto.

Traduzindo, vamos imaginar que o nosso corpo funciona como uma pilha de pratos. Se eu colocar a comida no centro do último prato, a pilha continuará intacta. Porém, se a comida começar a se acumular mais do lado direito ou esquerdo, essa pilha entortará. Isso significa que haverá mais carga concentrada em um local do que em outro e os pratos poderão ser danificados. Agora, imaginem que cada prato corresponde a uma estrutura passiva do corpo (tecidos que são incapazes de contrair e relaxar, não produzindo movimento sozinhos: ossos, ligamentos, cartilagem…). Se a pilha for entortada, os pratos não serão capazes de reagir e ficarão submetidos àquela carga até que algo mude a distribuição do peso.

As únicas estruturas hábeis para isso são os músculos. Eles podem mudar a direção dos pratos e alterar a distribuição do peso sobre a pilha toda. E quem comanda os músculos? Nosso cérebro! Por isso, a compreensão de como nosso sistema nervoso planeja e executa os movimentos é a essência para a prevenção de lesões.

Leia mais:

Com ou sem tensor? | Revista BEAT
Abra sua mente para se lesionar menos | Revista BEAT

 

Nosso cérebro precisa fazer a integração entre os estímulos sensoriais que chegam  (informações sobre o ambiente, o corpo e a tarefa envolvida) e a resposta motora devida naquele momento. Como se trata de um fluxo gigantesco de informações indo e vindo, ele acaba se perdendo se focar demais em detalhes. 

Quem corre pulando acaba agachando quando toca o pé no chão e força o tornozelo, o joelho e o quadril. Quem inclina para os lados ou roda o corpo, força o quadril e a coluna e desalinha o joelho e o tornozelo como a pilha de pratos ao entortar. Assim, temos cargas desnecessárias incidindo sobre essas articulações. É claro que essas cargas só não serão toleradas pelo corpo e causarão dor se acontecerem com frequência ou muita intensidade. Por isso, aumentar o volume de treinos sem um bom trabalho da mecânica corporal levará, uma hora ou outra, à lesão.

 

Como prevenir lesões na corrida e no salto

Então o que me ajudará a melhorar minha corrida? Pensar com exatidão na meta da tarefa. Exigir que seu corpo vá só para a frente. Olhe para frente enquanto corre e imagine que sua trajetória é uma reta. Então empurre-se na direção em que quer ir. Enquanto isso, tente fazer o pé tocar o solo o mais abaixo possível do seu corpo e com frequência. Sua corrida parecerá que tem passos mais curtos e rápidos, como se as pernas estivessem continuamente saindo e voltando ao chão. O som das pisadas deverá ser suave e contínuo.

E no salto? Concentre-se em empurrar o chão rapidamente para saltar na direção em que quer ir. Aqui, também vale a dica de olhar para onde você quer chegar, o que ajuda o sistema nervoso a compreender qual o seu objetivo final. Seus joelhos não podem se aproximar ou se afastar enquanto pega impulsão ou amortece a queda. O corpo deverá dobrar e esticar em linha reta e seus braços balançarão acompanhando o movimento das pernas para dar mais impulso. A queda deverá ser suave, amortecida pelo toque da ponta dos pés e não por uma pisada dura feita com o apoio da sola toda de uma única vez.

Eu sei que parece impossível, mas não é. É como qualquer outro aprendizado na vida, exige prática. Portanto, tire alguns minutos antes do treino para exercitar esses movimentos com calma e atenção. Cada movimento aprimorado representará uma nova opção na lista de soluções possíveis do seu cérebro e aos poucos ele começará a preferir essa que é a melhor. Então tente, pratique e saia da zona de conforto! Um movimento com boa mecânica traz menos cansaço e mais desempenho. Sem falar na redução de lesões.

Posts Relacionados

Comentários fechados