alimentação saudável

Como ser universitário e ter uma alimentação saudável?

por • 22 de agosto de 2017 • Basquetebol, Colaboradores, Colunas, Futebol de campo, Futsal, Handebol, Individuais, Rugby, Saúde & Alimentação, VôleiComentários (0)239

A correria universitária, muitas vezes, parece inversamente proporcional a uma alimentação saudável. Confira dicas de como melhorar a sua rotina e sua saúde.

Por Ana Luiza Menechino

Na rotina de um universitário, muitas vezes, a saúde acaba em segundo plano. Em meio à correria do dia-a-dia, fica difícil gerenciar tantos trabalhos, provas, estágio, aulas e, muitas vezes, atividades extracurriculares – que vão desde entidades até equipes esportivas. Desse modo, uma alimentação saudável, nas horas “certas”, acaba sendo negligenciada.

Uma atitude normal entre quem corre de uma atividade para outra é trocar momentos de almoço e/ou jantar por uma alimentação prática. Principalmente em São Paulo, uma cidade onde se perde muito tempo em deslocamento, é normal as pessoas trocarem refeições longas e mais nutritivas por alimentos mais rápidos, que podem ser consumidos em movimento – como no metrô, no ônibus ou a pé. Ou mesmo deixar de comer por longos períodos do dia. Entretanto, muitas vezes, o prático pode não corresponder ao saudável.

Quando esse universitário também é atleta, seus cuidados com o corpo e a alimentação devem ser ainda maiores, pois isso afeta diretamente no seu desempenho esportivo. A nutricionista esportiva, Carolina Ragugnetti, explica que, é através da alimentação que o corpo consegue substrato para produzir energia durante a atividade física, portanto, “quando esta não é adequada pode comprometer no rendimento do atleta nos treinamentos, aumentar as chances de lesão e atrasar a recuperação destas.”.

Leia mais

A dieta combatendo as dores | Revista BEAT
Inters: melhor aproveitamento em condições adversas | Revista BEAT

Uma boa alimentação e a prática regular de exercícios físicos é o início para um bom desempenho do universitário, tanto no esporte, quanto dentro da sala de aula. O homeopata Luiz Augusto Menechino ressalta que, a alimentação irregular em conjunto com noites mal dormidas e o sedentarismo resultam no baixo rendimento do universitário, deixando-o mais estressado, ansioso e cansado.

A maior desculpa dentre os estudantes para uma má alimentação se refere à falta de dinheiro e tempo. Porém, a nutricionista Carolina, dá dicas de como fazer uma alimentação adequada, mesmo com um orçamento baixo. “É importante investir em comida de verdade. Alimentos in natura como arroz, feijão, carne, hortaliças em geral, nas refeições principais, e ovos, frutas, leite e derivados no café da manhã e refeições intermediárias são uma boa maneira de economizar. Fugir dos industrializados como bolachas, barras de cereais e outros snacks. Se organizar para levar as refeições de casa e não ter que comer na rua ajudam bastante no quesito financeiro, e também melhora a qualidade da alimentação.”

Tratando-se de um atleta, Carolina avisa que a prática esportiva pode aumentar as necessidades de carboidratos, dessa forma, pode ser necessário aumentar o consumo de cereais, de preferência integrais, tubérculos, frutas e grãos. A quantidade desses alimentos vai depender do esporte praticado, do número de treinamentos por semana, da intensidade do metabolismo do atleta também.

Como principais vilões, entre os preferidinhos dos universitários, Carolina ressalva: “alimentos industrializados, ricos em açúcares e gorduras ruins, como bolachas e biscoitos, salgadinhos, sucos artificiais e outros snacks em geral. A falta de tempo e a necessidade de fazer as refeições fora de casa também incentiva a busca por alimentos práticos, o que pode ser um problema quando as opções são salgados de lanchonetes, doces e alimentos açucarados em geral”.

Leia mais:

Como o chocolate afeta seu desempenho? | Revista BEAT
O poder da cafeína | Revista BEAT

Por fim, cuidar da alimentação e da saúde deve estar entre as prioridades de qualquer pessoa, sendo atleta ou não. Com algumas substituições no cardápio e exercícios regulares, é perceptível, antes de tudo, o quanto isso afeta no bem-estar e no desempenho físico da pessoa. Além disso, no quesito emocional,  uma alimentação saudável torna a pessoa mais ativa, com maior disposição no dia a dia e com a mente mais leve para os demais afazeres.

 

 

Crédito foto de capa: Zé Carlos/A Gazeta Digital

Posts Relacionados

Comentários fechados