Segunda edição do InterZebras começa com novidades

por • 23 de maio de 2017 • Basquetebol, Campeonatos, Colunas, Futebol de campo, Futsal, Handebol, Individuais, Jogo a Jogo, VôleiComentários (0)1172

Por Leonardo Milano

 

No último sábado, dia 20, teve início a segunda edição do InterZebras. Logo no primeiro fim de semana, três modalidades foram disputadas. No xadrez, categoria estreante no torneio, o título ficou com a Escola de Enfermagem (ENF). Já no tênis de mesa masculino, o primeiro lugar ficou com a Faculdade de Geologia (GEO). No feminino, com o Instituto de Psicologia (Psico). O atletismo, por sua vez, foi dominado também pela ENF, nas provas masculinas; e pela Faculdade de Odontologia (Odonto), nas provas femininas. Passado o primeiro fim de semana de jogos, a ENF lidera a competição seguida de perto pela última campeã, a GEO.

Mas há muito mais sobre o InterZebras que você precisa saber.

A história

O InterZebras surgiu da iniciativa da A.A.A. Guimarães Rosa, atlética do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI), de fundar um novo inter universitário voltado às Atléticas menores da Universidade de São Paulo (USP). O primeiro passo seria convidar outros participantes. Diversas atléticas foram contatadas e seis delas decidiram aceitar o convite. IRI, GEO, VET, ODONTO, PSICO, FSP e ENF foram as participantes da primeira edição do torneio.

Logo de ínicio, os então idealizadores dos jogos buscaram apoio na Pró-Reitoria de Graduação da Universidade (PRG), com o argumento de que o investimento incentivaria o esporte em atléticas menores da USP, ainda em desenvolvimento. Entretanto, o apoio foi negado. Nem por isso, os estudantes desistiram da ideia.

handebol no interzebras de 2016

Jogo de Handebol na primeira edição do InterZebras (2016). Foto por Louise Kananovicz.

Como o principal objetivo do projeto era incentivar o maior número possível de alunos a competirem por suas faculdades, tudo foi feito para baratear o custos e facilitar a participação dos atletas.

Sendo assim, a então Liga Zebras – que se formava para organizar os jogos – foi atrás de alternativas para baratear o campeonato. Primeiro, precisavam de um espaço. Foi então que conseguiram firmar uma parceria com o Centro de Práticas Esportivas da USP, o CEPE, para utilizarem suas instalações gratuitamente para a realização das partidas. Além disso, os estudantes foram obrigados a desistir da ideia de contratarem árbitros profissionais: recorreram a alunos da própria USP, dispostos a apitar as partidas por um preço abaixo do valor de mercado. Dessa forma, contrataram alunos do curso de Bacharelado em Educação Física e Saúde da EACH para serem os árbitros dos jogos.

Mesmo com a falta de apoio da Reitoria da USP e com todas as outras dificuldades encontradas, os organizadores do novo inter conseguiram manter o baixo custo de inscrição, em dez reais por atleta.

O campeonato durou dois finais de semana e foi disputado nas modalidades de voleibol, handebol, futsal, basquete, tênis de mesa, tênis de campo e atletismo, este último como modalidade demonstrativa.

A grande campeã geral do InterZebras 2016 foi a Geologia seguida pelo IRI, em segundo lugar, e a VET em terceiro.

Segunda edição

Em 2017, a organização do torneio trouxe novidades. As modalidades de 2016 foram todas mantidas. Enquanto o atletismo passou a valer pontos na classificação geral, novas modalidades demonstrativas foram incluídas na competição, como judô, jiu jitsu e xadrez. A natação foi a única modalidade incluída na segunda edição que valerá pontos. Além disso, uma nova competidora, a FoFiTO. Serão portanto oito atléticas disputando o título do InterZebras 2017, uma a mais do que em 2016.

 

InterZebras 2017 - Tênis de Mesa

Tênis de Mesa Masculino – InterZebras 2017. Por Luana Corradine


E ainda tem mais: esse ano, os jogos contarão com arbitragem profissional. Isso porque, uma das maiores reclamações dos participantes da primeira edição do inter foi justamente o apito amador. O presidente da Liga Zebras, Gabriel Lins Alves justifica: “Ano passado o desafio era enorme, juntar sete atléticas pequenas e realizar um campeonato que fomentasse o esporte em cursos que nem sequer possuíam times em algumas modalidades, tudo isso do zero, sem absolutamente nenhum aporte. Para esse ano, além da entrada da FoFiTO, pudemos nos dedicar em melhorar os pontos que consideramos errados na primeira edição, como arbitragem, representação e a possibilidade de junção de equipes, já que muitas atléticas não obtiveram quórum mínimo em certas modalidades.”

Essa mudança só foi possível graças a um grande investimento da Liga que passou de quatro mil e oitocentos reais na primeira edição para nove mil e seiscentos na segunda. O dobro. A maior arrecadação deve-se ao aumento no valor da inscrição dos atletas (R$20) e ao lucro gerado por uma festa organizada pela Liga, justamente para conseguir fundos a serem investidos no campeonato.

O aumento no valor da inscrição, no entanto, não diminuiu o interesse pelos jogos. Em 2017, o InterZebras contará com a participação de exatos 483 atletas. Serão 52 times a disputarem as modalidades de quadra, 40 atletas na natação e no atletismo, além de 22 no xadrez, 6 no tênis de campo masculino, 5 no feminino, 11 times de tênis de mesa masculino e 8 femininos.

Foto de capa por: Veronica Grether

Posts Relacionados

Comentários fechados