LAURP e atléticas caipiras: O esporte na USP Ribeirão

por • 9 de março de 2017 • Basquetebol, Colunas, Futebol de campo, Futsal, Handebol, Individuais, Rugby, VôleiComentários (0)955

Estudante de Direito na USP Ribeirão, diretor de comunicação da Atlética Casa Sete (a associação atlética acadêmica de seu curso) e apaixonado por esportes.

 

Por Felipe Ferreira

Um dos principais pólos do esporte universitário no interior paulista, Ribeirão Preto vê a prática esportiva no meio universitário ser fomentada muito em função do campus da USP na cidade. Campus mais antigo da Universidade de São Paulo fora da capital paulista, a USP Ribeirão é sede de mais de 20 cursos, sendo referência acadêmica no Brasil e no mundo em praticamente todos eles. Mas, muito além de fazer bonito dentro dos laboratórios e salas de aula, no meio esportivo, a USP Ribeirão também não deixa a desejar obtendo excelentes resultados nos últimos anos, através dos times que representam o campus

No entanto, antes de frisar o desempenho esportivo da USP Ribeirão, é preciso entender como se organiza o esporte na universidade. Afinal, as coisas por aqui se dão de uma maneira diferente dos demais campi do interior paulista (São Carlos, Piracicaba, Pirassununga e Lorena), isso porque não há a presença de uma única atlética unificada, a qual represente o campus como um todo.

Em Ribeirão Preto, há a LAURP (Liga das Atléticas da USP Ribeirão Preto) a qual propõe justamente esta uniformização do esporte no campus e, principalmente, visa a organização dos torneios internos. Embora a LAURP também organize equipes integradas para a disputa de diversas competições, incluindo a Copa USP, por exemplo, as atléticas de cada faculdade presente dentro da USP Ribeirão possuem, tradicionalmente, um espaço maior. Em que pese à integração recente promovida pela liga formada por estas atléticas, todas possuem objetivos individualizados, resguardando diretrizes próprias e disputando também jogos e competições com times próprios.

Dessa forma, o panorama do esporte na USP Ribeirão Preto será tratado aqui, a partir de dois tópicos: um exclusivamente focado na LAURP e no seu desempenho nas competições nas quais representou o campus como um todo, e outro tratando da posição de cada atlética dentro do contexto geral do esporte universitário.

Futebol de campo da FEA-RP em partida disputada durante o último Caipirusp

A LAURP

“O interior vai dominar a capital”. Foi com este pensamento que a LAURP colocou a USP Ribeirão Preto no radar do esporte universitário com a estreia das equipes representantes do campus em competições do porte da Copa USP, do Tusca (Taça Universitária de São Carlos) e também da participação em diversos outros campeonatos restritos a modalidades específicas, como a Liga de Handebol Universitário do Interior e o Campeonato Paulista Universitário de Beisebol.

Ao disputarem a Copa USP pela primeira vez, todas as equipes ribeirãopretanas participantes tiveram de disputar a segunda divisão do torneio, a chamada Série Laranja.

Os resultados não deixaram a desejar. Nas disputas do Basquete Masculino, Basquete Feminino e do Handebol Masculino, o título veio, confirmando a força das equipes de Ribeirão e deixando aquele gostinho de quero mais para este 2017 em que disputarão a Série Azul.

Além dos títulos citados, é de se destacar também o desempenho no Futsal Feminino, em que, depois de terminar a primeira fase invicto, caiu para a equipe do ICBIO (que viria a ser campeã), nas semifinais, e do Futsal Masculino, outro que passou a primeira fase invicto e depois caiu nas semifinais, além do Vôlei Masculino e do Handebol Feminino, que passaram da fase de grupos, porém acabaram eliminados nas quartas-de-final.

Nas modalidades individuais, o desempenho também foi bom, com direito a título no Xadrez, 3º lugar no Atletismo Feminino e 4º no Atletismo Masculino, outra prova da força de Ribeirão Preto dentro do contexto do esporte uspiano.

Outra competição marcante a qual contou com a estreia da LAURP em 2016 foi o Tusca. A Taça Universitária de São Carlos, um dos maiores e mais tradicionais jogos universitários do país, famoso principalmente pela rivalidade entre a CAASO (atlética da USP São Carlos) e a atlética da UFScar, este ano contou também com a participação da LAURP, que teve como principal resultado o título no Tênis de Mesa Feminino e no Tênis Feminino.  Mas, para além dos resultados, o torneio foi marcante para o esporte da USP Ribeirão Preto, principalmente pela oportunidade concedida a modalidades até então pouco difundidas no campus, como destaca Rafael Rahal, o Pau, estudante de Medicina e atleta do Polo Aquático:

“Nunca tinha ouvido falar dessa modalidade antes de entrar na Medicina. Quando entrei para a Atlética, comecei a acompanhar mais de perto a equipe. Hoje nossa equipe reúne atletas de diversos cursos aqui do campus de Ribeirão. Apesar das dificuldades que enfrentamos pela pouca visibilidade, temos crescido bastante nos últimos anos. Prova disso foi o convite por parte da LAURP para que pudéssemos representar a USP Ribeirão no Tusca. E quem nunca quis jogar um Tusca, hein? Foi animal poder estar, compartilhar aquele momento com outras equipes, jogar bons jogos e dar o sangue. Queremos cada vez mais agregar esse pessoal do campus, confraternizar e curtir esse tal negócio chamado Polo Aquático”.

Também é preciso frisar a participação da LAURP em torneios exclusivos de algumas modalidades. A equipe de Handebol Feminino foi 3ª colocada na Liga de Handebol do Interior, a qual contou com as principais equipes universitárias do interior paulista; o Basquete Masculino é presença frequente na Copa Revelar, tradicional competição entre equipes de basquete de Ribeirão Preto e região; o Handebol Masculino disputou Jogos Regionais da região de Sertãozinho representando a cidade de São Joaquim da Barra e conquistaram o 3º lugar; por fim, o Beisebol disputou o forte Paulista Universitário da modalidade e foi campeão da Série Prata.

Diante disso, a expectativa para 2017 é seguir crescendo, conquistar ainda mais espaço dentro do próprio campus da USP Ribeirão, para, assim, ir atrás do sonho de “dominar a capital”.

Direito – USP Ribeirão enfrenta o CAASO pela final do Handebol Masculino do Caipirusp 2016

AS ATLÉTICAS

A organização do esporte na USP Ribeirão também confere uma tradicional força e um sentimento de rivalidade entre as atléticas de cada faculdade do campus. Diante disso, a própria LAURP organiza o Intracampus, competição com mais de 40 anos de existência, a qual conta com a participação das atléticas da Educa (Educação Física), FEA (Faculdade de Economia e Administração de Ribeirão Preto), Direito, Filô (Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto), Farma (Farmácia), Enf (Enfermagem), Fisio (Fisioterapia) e Nutri (Nutrição). Antes presenças certas na competição, a Medicina e a Odontologia não disputam mais o torneio por opção particular.

No próprio campus, nas noites/madrugadas dos dias de semana, as faculdades em questão se enfrentam em emocionantes disputas e mobilizam torcida para apoiar os atletas, criando um clima bastante singular. Os jogos costumam ser acirrados, tanto que, nos últimos dois anos, Educa e FEA brigaram ponto-a-ponto pelo título geral, que acabou sendo conquistado pelos representantes da Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto.

Além da competição interna, as atléticas de cada curso também disputam os jogos comuns a cada curso, e algumas delas (FEA, Direito e Fisio, além da Filô há tempos atrás) o Caipirusp, competição entre os campi interioranos da USP. Inclusive, têm conquistado resultados expressivos.

A FEA, por exemplo, domina o Economíadas Caipira (foram 13 títulos em 18 edições), é a 3ª principal força do Caipirusp e, de quebra, fez história com sua equipe de Futsal Masculino no ano passado ao terminar em 5º lugar no Paulista Universitário da modalidade. Por sua vez, o Direito é o atual campeão do interior dos Jogos Jurídicos, onde encara tradicionais forças do esporte universitário, como SanFran, Direito PUC-SP e Direito Mack.

Quem também representa o campus de Ribeirão Preto é a Medicina. Participante do InterUsp, já contou com resultados expressivos nos últimos anos na competição, como os títulos do Futebol de Campo, Futsal Masculino e também do Atletismo Feminino, porém, no InterMed, o seu principal foco ao longo do ano, o desempenho em 2016 passou longe do expressivo 3º lugar (melhor resultado no torneio) conquistado em 2006 e acabou rebaixada, vendo-se obrigada a disputar a Pré-Intermed neste ano.

Este é um pouco da organização do esporte na USP Ribeirão. Ao longo do ano, aqui na Revista Beat, novas matérias acerca do esporte no mais tradicional campus interiorano da USP se farão presentes. Até a próxima!

Posts Relacionados

Comentários fechados