O destino das seleções da USP

por • 18 de outubro de 2016 • Basquetebol, Campeonatos, Cartola, Colunas, Futebol de campo, Futsal, Handebol, Individuais, Rugby, VôleiComentários (1)330

Os custos da Copa UNISINOS e a falta de possibilidades para as seleções.

 

Por Clara Turazzi

A Copa UNISINOS é o campeonato  mais importante do ano para as seleções da USP. São dias de competição nos quais os times ficam juntos, afinal, o campeonato acontece durante quatro dias e é sediado na cidade de São Leopoldo, próxima à Porto Alegre (RS).

Infelizmente, a participação dos atletas da USP é cada vez menor. A viagem inteira tem de ser bancada pelo próprio atleta e, este ano, os preços estão consideravelmente mais altos do que nos anteriores. O custo do kit (que inclui a inscrição, a hospedagem e os gastos da CT) subiu aproximadamente 10% e as passagens estão em média cerca de três vezes mais caras. Nessa edição, duas modalidades finalistas em 2015, o basquete feminino e o futebol de campo masculino, deixarão de participar do campeonato, assim como os dois times de vôlei (feminino e masculino) da USP.

Em razão das desistências em 2016, irão participar da UNISINOS apenas as seleções USP de basquete masculino, futsal feminino e masculino, handebol feminino e masculino e rugby masculino. A falta de apoio afetou inclusive equipes que irão participar da edição deste ano, como, por exemplo o handebol feminino, que ao final de sua primeira convocação contava com apenas 12 atletas.

Segundo o técnico do basquete feminino, João Boccato, a modalidade não teve interesse em participar da competição este ano por ser “um campeonato pontual, longe, caro e que nem sequer ocorre em um feriado”. “Acredito que, no momento atual, um campeonato anual ou semestral se encaixe mais com as características desta equipe. Para a UNISINOS voltar a ser o foco do basquete feminino mudanças na organização do campeonato precisam acontecer, a mais drástica seria em relação às informações divulgadas”, completa.

unisinos-86

O modelo de campeonatos semestrais ou anuais, mencionado por João Boccato, já foi adotado pelas seleções do vôlei feminino e do futebol de campo masculino. Os dois times ficarão apenas em São Paulo. Não apenas pelo custo da viagem até o Rio Grande do Sul, mas também por competirem, aqui, a Taça Trivelli da FUPE.

A presença em competições como a de São Leopoldo, entretanto, é importante não apenas para conseguir resultados, mas também para que haja integração entre as equipes da USP e as outras participantes. Segundo Felipe Marco “Guima”, presidente da LAAUSP, “O esporte é essencialmente social. Viajar para a Copa UNISINOS é mais que competir. As pessoas que passarão os dias em conjunto lá sentirão a diferença”.

Reviravolta orçamentária

No começo do ano as expectativas eram extremamente diferentes da realidade atual. A Liga havia firmado uma parecia com a Pró-reitoria de graduação, que previa apoio financeiro e institucional, possibilitando maior incentivo à prática esportiva pelos alunos do campus. Desfeita no meio do primeiro semestre, o fomento das seleções se tornou uma dificuldade, uma vez que a LAAUSP teve de lidar com um rombo em seu orçamento. Para além dos recursos financeiros, Guima também aponta para a “falta de locais de qualidade e estáveis ao treinamento, falta de calendário consistente, horário dos treinos, articulação dos TIMES USP para com a USP.” ressaltando que a estrutura deve ser reciclada.

Esses buracos ao longo do ano podem ser considerados resultados de um processo muito mais longo: o CEPEUSP está cada vez menos associado e interessados nos times da USP. As competições não são parte importante do seu calendário, apesar de promoverem o uso da estrutura. Essa realidade leva ao enfraquecimento das seleções e times em geral, “pois quem as sustenta ainda são os atletas que se identificam por tempos passados. Quando estes não estiverem mais aqui, como será?”, finaliza Guima.

Posts Relacionados

One Response to O destino das seleções da USP

  1. […] 18 de outubro de 2016 | O destino das seleções da USP […]