[#memóriasdoBIFE] Futsal humilha o satanás

por • 10 de outubro de 2016 • Colunas, Futsal, PerfilComentários (0)338

Por Agripino “Only” Costa

 

BIFFE 2012. Barra Bonita. Terceiro dia. ONZE HORAS DA MADRUGADA! Semi-Final. FFLCH x IME. Esse era o contexto para o que se tornaria, pra mim, o jogo mais inesquecível em BIFFEs.

O IME era simplesmente o atual campeão da primeira divisão da Copa USP e um dos nossos maiores adversários, ou seja, sabíamos que seria um “BAITA JOGO” (NETO, Craque) e sendo assim, nosso time claramente se poupou na balada voltando às 4h ao invés de voltar às 6h (sim, isso realmente é se poupar em se tratando de FFLCH). Tirando o trabalho que foi acordar as pessoas pra ir ao ginásio, o clima que rolou daquele momento em diante, foi dando pistas de que a coisa ia “dar bom”.

No ônibus em direção ao ginásio, estávamos praticamente o time todo, ainda num mix de sono/empolgação pré-jogo, quando começamos a entoar o que seria o HIT daquele BIFFE (o tal “Jesus Humilha o Satanás”) e ai começou de verdade a vitória. Chegando ao ginásio, antes de todos, lembro que todos nos trocamos e começávamos a nos preparar para o aquecimento quando decidimos fazer ali na quadra, aproveitando que estava vazia ainda já que não tinha jogo antes, o mesmo aquecimento que fizemos nos treinos o semestre todo, o famigerado FUFUCOBOL (um jogo meio maluco, meio de nóia, mas que cumpria bem sua função de aquecer). Foi nesse momento que os A-TLE-TAS do IME chegaram ao ginásio, sentaram na arquibancada e ficaram olhando aquele bando de malucos (no caso, a gente) “cansando” em quadra antes do jogo. Não sei o que eles pensaram exatamente, mas as caras que fizeram foram ótimas.

revista-beat-bife_fflch

Pois bem, passado o momento lúdico, fomos às ações tradicionais. Fizemos nosso aquecimento e fazíamos a preleção quando obtivemos informações privilegiadas de dois informantes de confiança de que o IME viria para o jogo utilizando o goleiro-linha desde o primeiro minuto. Nessa hora rolou um ~TILT~ no nosso cérebro, mas ainda bem que não no cérebro da nossa treinadora (Mari…S2). Ajustes feitos e vamos para a partida.

Eles realmente vieram no goleiro-linha desde o início, pressionando a gente, mas logo de cara conseguimos recuperar a bola e fazer o gol. 1×0. Eles voltaram no goleiro-linha, e um pouco depois conseguiram o empate. 1×1. Pouco tempo depois, num contra-ataque, marcamos novamente. 2×1. Eles seguiram pressionando no goleiro-linha, e ainda no primeiro tempo, conseguiram o empate e pouco depois a virada. Final do primeiro tempo. 3×2 para o IME. Veio o intervalo e foi quando resolvemos mudar a estratégia de jogo. Eles tão usando só o goleiro-linha, então tudo bem. Vamos usar também.

E o que rolou no segundo tempo foi um tipo de jogo de xadrez em quadra, muito bem jogado pelos dois técnicos. Chances pra todos os lados. Os goleiros fazendo defesas o tempo todo. O problema é que o tempo passava e o nosso gol de empate não saía. O cansaço, aos poucos tomava conta do nosso time, mas seguíamos marcando o goleiro-linha do IME e fazendo o nosso. Minuto a minuto, segundo a segundo o tempo regredia e parecia que seríamos eliminados. Foi quando num lance que até hoje a gente não sabe muito bem explicar como aconteceu, faltando DE-ZES-SE-TE segundos pro jogo terminar, num chute que NUNCA MAIS vai acontecer (chupa Rodrigo), conseguimos o empate. A torcida (que acordou depois e chegou no meio do jogo) foi à loucura, nosso banco foi à loucura, todos foram à loucura. 3×3. E foi assim que o jogo acabou. Decisão por pênaltis. E foi ai, nesse momento, que eu entrei em cena.

Ainda antes do apito final, enquanto os dezessete segundo finais terminavam, nossa treinadora virou pra mim, bateu no meu peito e disse “Agora é você!”. Incentivo número um. Apito final. Equipes reunidas. No meio da rodinha onde os batedores foram escolhidos, um de nossos atletas (Fejão) pediu a palavra pra dizer “Rapazeada, é o seguinte, vamos nos focar pra fazer todos, porque pelo menos um pênalti o Only pega” Incentivo número dois. (só pra contextualizar, essa confiança toda em mim nos pênaltis é por causa de um aproveitamento muito bom nos treinos…e sim…como a memória é minha…sem essa de modéstia haha).

Fomos às cobranças. Três para cada lado. Primeiro do IME. Defendi! Primeiro da FFLCH. GOL! Segundo do IME. Pra fora (segundo meus parcinhas de time, meu ritual de dar saltinhos, deixou minha barriga de fora, e isso, aliado ao meu pequeno tamanho, desconcentrou o batedor e o fez isolar a bola. Foi isso? Jamais saberemos, mas pelo menos é uma versão engraçada). Segundo da FFLCH. GOL! VITÓRIA! Estávamos classificados para a final do BIFFE numa partida que ficou na minha memória de um jeito que JAMAIS se apagará. Sem dúvida alguma, meu auge como A-TLE-TA de futsal e minha melhor lembrança em BIFFEs pelo Futsal Masculino da FFLCH.

Posts Relacionados

Comentários fechados