Inters: melhor aproveitamento nutricional em condições adversas!

por • 24 de maio de 2016 • Colunas, Futebol de campo, Futsal, Handebol, Individuais, Rugby, Saúde, VôleiComentários (0)651

Por Tainá Carvalho | Nutricionista esportiva

Antes de um Inter, as principais preocupações de quem vai participar são: onde será o alojamento, como ele será, qual a distância até o ginásio dos jogos, quais serão os confrontos, o horário dos jogos, será open bar ou não, como serão as festas, qual roupa levar. Poucos param para pensar onde e o que vão comer, e isso é muito preocupante, principalmente para os atletas. Dependendo da modalidade, é comum ter mais de um jogo no mesmo dia, e, se não há um planejamento das refeições, o atleta fica sem saber o que comer. Em muitos casos, o atleta acaba comendo o hot-dog da barraquinha mais próxima ou uma coxinha encharcada de óleo que vende no ginásio. Ou não come nada porque o ginásio fica longe de tudo. 

Desta forma, em um Inter as condições são desfavoráveis para o atleta: além da alimentação inadequada, a qualidade do sono é ruim e o cansaço maior que o normal. Uma alimentação minimamente adequada nestes campeonatos pode ajudar muito a melhorar o desempenho esportivo. O mais complicado é fazer um planejamento para esse período, mas não impossível.

O primeiro a se fazer é caprichar na hidratação, procure providenciar garrafinhas de água não só nos horários de jogo. É fundamental chegar bem hidratado antes da partida, por isso mantenha um bom consumo de água antes e após os jogos.

Outro ponto importante é estudar as opções de restaurantes e lanchonetes que a sua Atlética geralmente disponibiliza antes do inter, para você saber onde irá fazer as grandes refeições como o café da manhã, almoço e jantar. Procure priorizar refeições mais leves sempre que possível, evitando frituras, salgados, pão de queijo, preparações a milanesa, pizzas, dentre outros.

Além disso, vale levar algumas opções de lanches práticos na mala, porque às vezes você só vai conseguir garantir as grandes refeições. Dentre estas opções de lanches, temos: 

– Frutas: Algumas frutas in natura resistem ao transporte e são fáceis de levar, como por exemplo maçã ou mexerica, ou as frutas secas que são fáceis de carregar e não estragam.

– Biscoitos: procure no mercado opções de biscoitos integrais, as melhores opções são aqueles com mais fibras e com 7% ou menos do VD de gordura saturada ou sódio. O percentual de VD é uma coluna fica ao lado da coluna de calorias e quantidade em gramas dos nutrientes.

– Barras de proteína ou suplementos proteicos: as opções proteicas são mais difíceis de levar, pois as principais opções nos alimentos são perecíveis o que torna inviável para carregar. Por isso, as barras de proteína ou suplementos proteicos em pó podem quebrar um galho.

– Gel de carboidrato, bananinha/ doce de banana, biscoito de arroz japonês, barras de cereais: estes alimentos são ricos em carboidratos de rápida absorção, mas o melhor momento para se consumir é cerca de 5 – 10 minutos antes do jogo, durante o jogo ou nos intervalos, ou imediatamente após para melhorar a recuperação para a próxima partida.

Estas são algumas dicas que podem melhorar o seu reflexo na hora de acertar o gol ou a cesta, que vão a ajudar a melhorar o seu impulso para um salto na hora do ataque numa partida de vôlei, que te farão chegar um segundo a frente do seu adversário na natação ou no atletismo.


Clique aqui e agende uma consulta
logotaina1

– Graduação em Nutrição pela Universidade de São Paulo (FSP/USP)
– Pós-graduação em Nutrição Aplicada ao Exercício Físico pela EEFE/USP
– Aprimoramento em Transtornos Alimentares e Nutrição pelo AMBULIM – IPq/HCFMUSP
– Especializa-se em Fitoterapia e Nutrição pelo Centro Integrado de Nutrição (CINNUTRI)
– Atuou como nutricionista na equipe de multidisciplinar na Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Incor/HCFMUSP e ambulatório de medicina esportiva
– Atua como nutricionista esportiva em consultório particular

Posts Relacionados

Comentários fechados