Acabou a faculdade, mas e o handebol?!

por • 31 de março de 2015 • Colunas, HandebolComentários (1)819

Por Arianne D’Aquino e Luciana Mattar

 

Passam-se quatro, cinco, seis, às vezes mais anos, e você termina sua faculdade, olha para o lado e se pergunta: o que vou fazer sem o handebol agora? Não tenho mais onde jogar.  Esse dilema passa na cabeça de muitos atletas amadores que normalmente se descobrem no esporte universitário, e conosco não foi diferente. Quando você finalmente começa a progredir na modalidade, chega o fim da graduação. Alguns ainda têm uma segunda chance na pós-graduação, mas e depois? Foi a partir disso que surgiu a solução: as Re-Formadas. Re- o quê?

O trocadilho não é à toa, somos um grupo de atletas consideradas velhas, já formadas e sem espaço em outros times. Não podemos mais jogar os famosos campeonatos universitários, mas nem por isso encerramos nossa curta atuação no esporte coletivo. Por isso, unimo-nos e criamos a alternativa da academia. Muitas de nós tentaram substituir o handebol por outra atividade física, normalmente sem sucesso. Correr na esteira depois de trabalhar o dia todo, ouvir aquela conversa de academia e voltar no dia seguinte… Faltava alguma coisa.

Por outro lado, nessa fase em que lesões são recorrentes, ouvimos sempre muitas críticas de nossos amigos e parentes. “Quando você vai parar de jogar, você não está velha pra isso?”. Atreva-se a repetir isso para alguma menina desse time, a resposta será pronta: “Não estamos!”.

O lado bom dessa história é que, além de poder tomar uma cerveja depois dos treinos, o prazer de jogar com antigas rivais é algo diferente do que vivenciamos na vida acadêmica. Estamos aprendendo a conviver com pessoas de outras áreas, de faculdades diferentes, mas que têm a mesma vontade de jogar que a nossa. Obviamente que nesse pouco mais de um ano de vida tivemos muitas dificuldades, geralmente financeiras e de infraestrutura, mas a paixão de cada atleta e do nosso técnico faz o projeto seguir adiante.

Hoje, participamos de campeonatos em que muitos dos nossos ex-times estão. E ai, quem será que leva a melhor nessa?

 

Nota: todas as citações ao handebol podem ser substituídas por qualquer outro esporte coletivo.


Arianne D’Aquino, conhecida por Birigui, foi guardiã das traves da ESPM e das Re-Formadas, e hoje vira a casaca pela FGV. Luciana Mattar foi vice-presidente da atlética da FAU-USP, é ponta destra com natureza canhota, joga pelas Re-Formadas mas não abandona seu time de origem.


 

 

 

Posts Relacionados

One Response to Acabou a faculdade, mas e o handebol?!

  1. […] corrida que a ajudavam, davam dicas e corriam junto. Durante essa fase, também começou a praticar handebol pelo clube paulistano Hebraica. Todo esse currículo esportivo garantiu que Lica, ao entrar na USP, […]