Gelo ou bolsa de água quente ?

por • 9 de outubro de 2014 • E muito maisComentários (0)3872

Por André Meirelles | Jornalismo Júnior

 

   Uma das principais preocupações na vida de um atleta – seja ele universitário ou profissional – é o risco de sofrer uma lesão muscular, que pode ter com consequência um afastmento por certo tempo de sua rotina de exercícios. Pancadas ou quedas são frequentes em uma partida ou até mesmo em um treino e exigem um tratamento logo após a contusão.  Nessas situações, é muito comum vermos pessoas aplicando gelo ou bolsa de água quente no local da lesão, por conta do fácil acesso a esses recursos. Mas, afinal, o que deve ser aplicado? Frio ou quente? A resposta para essa pergunta é: depende de cada caso. Cada recurso vai causar resultados diferentes no corpo e é muito importante saber quando utilizar cada um, para que o efeito desejado de tratar o músculo realmente aconteça.

 

Quando se deve utilizar o gelo?

Recomenda-se que se aplique gelo logo após a lesão  Crédito: site Regime Certo

Recomenda-se que se aplique gelo logo após a lesão     Crédito: site Regime Certo

   A aplicação de baixas temperaturas com o objetivo de tratar regiões lesionadas é conhecida como crioterapia. Também chamada de “terapia do frio”, tem como princípio básico a remoção do calor corporal, diminuindo a temperatura do local. A técnica é antiga e foi iniciada por gregos e romanos, que usavam gelo natural e neve para curar algum problema médico. Começou a se tornar presente nas contusões esportivas a partir dos anos 70 e hoje, com as técnicas aprimoradas, existem diversas formas de aplicações, como as líquidas (água), sólidas (gelo) e gasosas (gases).

   O gelo pode ser aplicado em contusões, “pancadas”, entorses e estiramentos musculares. Deve ser utilizado desde o momento da lesão até a fase tardia do tratamento, por conta de suas propriedades analgésicas e anti-inflamatórias. “A redução da temperatura local reduz o metabolismo das células naquela área, permitindo que elas se recuperem de forma mais rápida. Após a retirada do gelo há um aumento do fluxo sanguíneo local provocando aporte de células responsáveis por fazer o reparo das lesões”, explica o doutor Jomar Souza, especialista em Medicina do Exercício e do Esporte e Diretor da Sociedade Brasileira de Medicina e do Esporte (SBMEE).

   A recomendação é que se aplique o gelo por vinte a trinta minutos, pelo menos três vezes por dia e com um intervalo de no mínimo uma hora entre as aplicações. Deve-se evitar o contato direto do gelo com a pele, colocando uma toalha úmida entre a bolsa de gelo e a pele. Souza ainda alerta para algumas regiões que devem ser evitadas, como as extremidades das mãos e dos pés, principalmente em pessoas diabéticas ou com problemas circulatórios, pois a aplicação de gelo nesses casos pode diminuir o fluxo sanguíneo  para essas regiões.

Quando se deve utilizar a água quente?

O calor provoca o relaxamento da região lesionada Créditos: site Mundo Mulheres

O calor provoca o relaxamento da região lesionada     Créditos: site Mundo Mulheres

   A hipertermoterapia são as técnicas de fisioterapia que utilizam altas temperaturas em tecidos com o princípio de tratamento. Ela apresenta uma sensação mais agradável e confortável do que a aplicação com baixas temperaturas.

   As compressas de água quente nunca devem ser usadas nas primeiras 48 horas da lesão, pois elas podem intensificar a dor e aumentar o edema (inchaço) no local. Após esse período, a água quente pode ser utilizada em casos como as dores lombares crônicas ou contraturas musculares. Segundo o médico ortopedista Gustavo Arliani, especialista em Traumatologia do Esporte e membro do Centro de Traumatologia do Esporte (CETE) da Unifesp, a aplicação deve ser de 10 a 15  minutos entre intervalos de uma a duas horas. Pode ser aplicada com bolsas de borracha onde a água quente é colocada, bolsas com gel que podem ser aquecidas no micro-ondas ou até toalhas banhadas em água morna. As áreas evitadas devem ser as mais sensíveis ao calor, como na face, no dorso das mãos e dos pés, além de feridas abertas ou queimaduras.

   O aumento da temperatura na região lesionada promove a dilatação periférica dos vasos sanguíneos. Arliani explica: “Este processo provoca um relaxamento da musculatura local, maior facilidade para chegada de fatores de crescimento, nutrientes e células de reparação no local da lesão e diminuição da dor local”.

O olhar do atleta

   Como a contusão é algo muito frequente na vida de qualquer pessoa que pratique alguma atividade física, é importante que ela esteja atenta à maneira correta de se iniciar um tratamento. A dúvida entre a aplicação de gelo ou calor não deve existir e é o que prova alguns atletas do meio universitário. Elisa Yumi, atleta de vôlei da Nutrição da USP, afirma que sempre depois de sofrer uma lesão, costuma aplicar gelo de acordo com a recomendação de seu médico ou duas ou três vezes ao dia durante 15 a 30 minutos, dependendo do acesso ao gelo no dia a dia. Após alguns dias, Elisa utiliza o gelo na mesma frequência, porém, aliado com algum medicamento, como sprays ou pomadas antinflamatórias ou até algum objeto que imobilize a região lesionada, como faixas e esparadrapos.

   A atleta já rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho e teve que fazer uma cirurgia de reconstrução. Tanto logo após a lesão como dias depois, aplicava gelo no local por quinze minutos e quatro vezes ao dia. Teve que se locomover com o auxílio de muletas e dar início à fisioterapia para recuperar os movimentos. “Lembro-me que nas sessões de fisioterapia, mesmo bem depois da lesão, ainda fazia o uso de gelo”, conclui Elisa.

Dr. Jomar Souza é médico do esporte e especialista em Medicina do Exercício e do Esporte e Diretor da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte – SBMEE. Atualmente atende em Salvador, na Bahia.
 
Dr. Gustavo Arliani é médico  formado pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP. É Especialista em Traumatologia do Esporte e Cirurgia do Joelho, sendo membro do Centro de Traumatologia do Esporte (CETE) – UNIFESP e plantonista do Hospital Israelita Albert Einstein – Unidade Perdizes.
 
Crédito foto de capa: GETTY / Neymar Jr.

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *