Antigas perspectivas e novos rumos da LAAUSP

por • 29 de setembro de 2014 • EntrevistaComentários (0)1089

Por Vitor de Andrade | Jornalismo Júnior

A LAAUSP, Liga Atlética Acadêmica da Universidade de São Paulo, é a organização que representa a união entre as Atléticas de todos os campus da USP. Ela é responsável por integrá-las e também por gerir os maiores campeonatos da Universidade, como o Bichusp, a Copa USP e os Jogos da Liga. Porém, apesar da sua posição prestigiada, a Liga é alvo de questionamentos sobre seu papel, modelo administrativo e até mesmo a razão de sua existência. Para saber mais sobre a situação administrativa, os problemas e as soluções da organização, a Revista BEAT entrevistou Cristiane Mouro, ex-secretária da LAAUSP.

 

BEAT: A LAAUSP é conhecida a entidade esportiva máxima da USP. Você pode explicar como e porque ela foi fundada?

Cristiane: Conheço a história que está no próprio site da LAAUSP. Que foi fundada em 1970 (isso é comprovado por estatuto) por alunos da FEA, Poli e EEFE (ainda EEF), mas que sofreu um reviravolta organizacional em 1998 no intuito de contemplar os interesses de todas as filiadas e não apenas daquelas que tinham fundado a Liga.

BEAT: Como é desempenhado o papel administrativo atualmente? Que tipo de perspectiva você acha que ficou desamparada na atual gestão?

Cristiane: A LAAUSP é formada por cargos ditos administrativos e também esportivos, de modo geral. Achei que o marketing desse ano seria mais forte – principalmente em relação a patrocínios e reformulação do site -, pois algumas pessoas que são da gestão tinham um maior interesse nessa área. Infelizmente, devido a perda do colégio Assunção e da falta de praças esportivas no início do ano, acredito que o esportivo tenha sofrido um pouco e que essas pessoas tiveram que se ajustar e dar prioridade para a “montagem” dos campeonatos, deixando assim, o marketing um pouco de lado.

BEAT:  Qual a sua opinião pessoal sobre a organização do BichUSP, Copa USP e os Jogos da Liga? Há uma necessidade de melhor estrutura, gestão ou um novo modelo de competição?

Cristiane: É muito difícil mudar a estrutura dos campeonatos. Até mesmo para as Atléticas é cômodo continuar num mesmo formato de competição, assim minimizam o risco de erros que prejudiquem as competições e as gestões. Acredito que a principal mudança que deveria acontecer é a preocupação com as condições das praças esportivas, sendo CEPE ou externas. Isso não depende apenas da LAAUSP, mas acho que com mudanças gradativas de taxas e eventos diferentes organizados pela Liga a captação de recursos seria maior e com o tempo poderíamos usar praças esportivas melhores.

Além disso, acredito que o Bichusp mereça um grande foco e que nenhum campeonato deva acontecer paralelamente. O Bichusp é o momento em que apresentamos os calouros às modalidades e inserimos esses mesmos calouros no esporte universitário, então a Liga deve sempre ser rígida em relação a regras, punições e documentações. Esse é o momento de ensinar como o esporte universitário funciona.

BEAT:  Além da USP existem várias outras Ligas Atléticas em São Paulo, como a Liga Mackenzie, UNIFESP, UNESP, PUC-SP… Você pode dizer como é a relação com elas e se há possibilidade de um novo projeto conjunto?

Cristiane: Na gestão atual não sei se a relação mudou, mas até a gestão passada não existia uma relação próxima entre as Ligas. Foi feito um projeto de mini TUSP em que a LAAUSP organizaria um campeonato para ser disputado por Ligas, mas infelizmente com as condições atuais do CEPE não podemos nos comprometer a realizar competições. Acredito que muitas pessoas tenham interesse em campeonatos entre as Ligas e sei que até mesmo a Atlética da EEFE, mas a dificuldade atual está relacionada em encontrar praças esportivas de boa qualidade e baixo custo.

BEAT: Apesar do poder da LAAUSP e a evolução que trouxe ao esporte universitário ao longo das suas décadas de existência, há questionamentos sobre a função da sua existência. Você acha que o sistema de gestão ainda é capaz de trazer melhoras e envolver os atletas de maneira geral?

Já faz algum tempo que a Liga sofre muitas críticas, a maioria dos alunos não se interessa em participar do processo e aparecem apenas quando não gostam de alguma coisa que diz respeito a sua modalidade. A LAAUSP sempre deixa claro que é apenas uma entidade representativa. A maior mudança deveria acontecer nas Atléticas, elas são as pontes entre Liga e alunos e são elas que deveriam levar as informações, os motivos e um posicionamento para os atletas. Além disso, a participação das Atléticas dentro da Liga deveria ser maior, se tivéssemos um aluno de cada curso dentro da Liga com certeza ela conseguiria evoluir em diferentes âmbitos e todas as Atléticas teriam suas demandas contempladas.

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *