Nutrição para atletas e aspirantes

por • 5 de maio de 2014 • Saúde & AlimentaçãoComentários (0)1064

Pratica esportes, mas ainda não consegue ter aquela alimentação regrada e saudável? Saiba mais sobre nutrição para atletas e aspirantes.

Por Mirella Kamimura

Nosso corpo é uma máquina. E como qualquer outra máquina, para um bom desempenho, precisa de energia. A oferta de informações sobre nutrição, alimentação e dietas é grande, mas a maioria dessas informações não tem procedência garantida de um especialista, podendo levar ao erro e até mesmo no efeito reverso do desejado.

Quando se trata de nutrição esportiva, o rigor deve ser ainda maior em relação às informações. Segundo a nutricionista Lenycia Neri, formada pela Faculdade de Saúde Pública da USP, uma alimentação equilibrada se baseia nos quatro princípios de Pedro Escudero, médico argentino especialista em nutrição, que são: qualidade, quantidade, adequação e harmonia.

A qualidade e a quantidade estão relacionados aos valores nutricionais e às porções de uma refeição. Já a adequação e a harmonia são fatores mais pessoais, dependendo do objetivo e do gosto de cada um. “É preciso que o prato seja disposto de forma harmônica, combinando sabores e texturas, e principalmente, que agrade o paladar e o olfato!”.

Nutrição para atletas universitários

Guilherme Reigado Monteiro, também formado em Nutrição pela Faculdade de Saúde Pública da USP e graduando em Esporte e Educação Física na Escola de Educação Física e Esportes da USP é um exemplo de atleta universitário.

Para ele, a nutrição esportiva para os universitários é diferente da dos atletas de alto desempenho, tanto nas necessidades nutricionais quanto nas recomendações de suplementação. Para o atleta universitário, esses fatores são menores e menos significativos na performance, porém não é isso que Guilherme observa no dia-a-dia: “Observo muito que os atletas universitários têm uma preocupação muito grande com suplementação. Parece mais aceitável usarem suplementos, ergogênicos e termogênicos do que simplesmente fazer uma dieta equilibrada. É importante adequar a dieta antes de introduzir qualquer tipo suplemento, pois não adianta suplementar uma dieta que não está funcionando.”.

Alguns atletas possuem o péssimo hábito de se exercitar em jejum, acreditando que assim perdem mais massa gorda. Essa ideia é totalmente equivocada. Ao praticar exercícios físicos de estômago vazio, o corpo está com baixa estocagem de energia e, para conseguir completar os exercícios, acaba utilizando a reserva energética de glicogênio dos músculos, afetando a constituição da massa magra. Ou seja, todo o músculo trabalhado anteriormente acaba sendo prejudicado. Lenycia complementa a indicação: “Antes do exercício, é importante comer algo leve, sem muita gordura e sem fibras, para que a digestão seja fácil e a disponibilidade do nutrientre seja imediata”. Alimentos ricos em carboidratos como massas, pães e biscoitos são os mais indicados por constituirem uma boa fonte de energia.

Em relação ao “durante”, somente treinos ou competições com tempo superior a uma hora devem ter complementação, que deve ser de carboidratos, já que o combustível consumido antes pode ter acabado. Alguns exemplos desse tipo de complementação são as bebidas esportivas com carboidratos e os géis de carboidratos ou suplementos em pó (maltodextrina).  Além disso, Lenycia ressalta a importância da água. “Para aqueles que fazem treinos mais rápidos é importante manter a hidratação durante e depois. Aliás, hidratação depois do exercício é essencial a todos.”

 

Mais sobre nutrição em Revista BEAT:

Alimentação nas férias
Alimentação pré e pós treino: como ela garante seu rendimento

Logo após a atividade física, para recuperar bem o organismo e conseguir ganhar massa e perder gordura, é importante o consumo de carboidratos e proteínas. Essa combinação irá favorecer a recuperação rápida. Uma dica de Lenycia é o leite desnatado com achocolatado. “Isso porque favorece a reidratação com nutrientes essenciais que dão estímulo à síntese protéica e recuperação dos estoques de energia no músculo.

Quando se é estudante, existem diversos compromissos a serem cumpridos durante o dia-a-dia, como aulas, pesquisas, trabalho, etc. Com isso, muitas vezes é difícil fazer uma alimentação correta antes/durante/após os treinos. Assim, atletas universitários têm que recorrer a alternativas para se alimentar. “Já perdi refeições devido a rotina corrida e coisas como frutas secas e barrinhas me salvaram antes de um treino. Agora eu e muitos colegas sempre carregamos um monte de comida na bolsa”, diz Guilherme, que treina Atletismo há alguns anos.

Às vésperas de uma competição, é comum que os atletas procurem ter refeições com alimentos mais leves, ricos em carboidratos como massas – para estoque energético. É importante também evitar os ricos em fibras e gorduras, que demoram mais tempo para ser digeridos e podem resultar em desconfortos gastrointestinais. Para Guilherme, existe uma regra de ouro: “Nunca consumir algo que você não está habituado a consumir antes dos treinos. Dia de competição não é hora de fazer teste com alimentos novos.” Um bom atleta não depende apenas da sua nutrição. É preciso cuidar da parte física e mental no dia da prova. Porém, uma má nutrição pode acabar com um campeão.

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *